Os adoçantes artificiais fazem mal para a saúde?

Atualizado: 08/09/2017

Nos últimos anos, os perigos dos adoçantes artificiais tornaram-se um importante ponto de debate.

Não podemos negar que isto envolve muito dinheiro: anúncios publicitários que promovem a “segurança” do aspartame, por exemplo, têm sido publicados em todos os tipos de revistas.

Será que os produtores de adoçantes artificiais estão sentindo a pressão?

Para cada estudo que afirma que os edulcorantes deste tipo são seguros (a maioria encomendados pelas próprias empresas fabricantes), existem outros (quase todos independentes) que afirmam ser perigosos.

E no final tudo se resume a que você mesmo tem que tomar a decisão, por tanto, se decidir consumir um adoçante artificial, aconselhamos que use seu bom senso.

os adoçantes artificiais

Os perigos dos adoçantes artificiais

Vejamos agora alguns dos problemas mais comuns que foram associados ao longo dos anos com o uso dos adoçantes artificiais.

Se você é sensível a qualquer um dos problemas descritos abaixo, deve considerar mudar para um substituto natural do açúcar.

– Dores de cabeça e alergias

Este é um dos efeitos colaterais mais comuns de todos.

Estudos independentes e queixas dos consumidores associaram edulcorantes artificiais com o aumento dos ataques de enxaqueca.

Cabe salientar que as dores de cabeça deixaram de ser sentidas repentinamente assim que se suspendeu o uso destes produtos.

Pesquisas também confirmam a relação do consumo de edulcorantes artificiais com reações alérgicas na pele e a formação de espinhas e furúnculos.

– Depressão e ataques de pânico

Para pessoas sensíveis à depressão e ataques de pânico, os edulcorantes artificiais são particularmente perigosos.

Estes produtos produzem mudanças de humor, falta de ar, compressão no tórax e músculos, além de outros sintomas associados à ansiedade.

Um estudo realizado sobre o aspartame e a depressão precisou ser interrompido porque os efeitos colaterais foram muito graves.

– Doenças gastrointestinais

Esta é uma queixa bastante comum sobre os edulcorantes artificiais, especialmente a sucralose.

Este adoçante é feito à base de cana de açúcar, mas é acrescentado cloro na sua produção, que é uma substância tóxica.

Há estudos que mostram que a sucralose pode eliminar a flora bacteriana boa do intestino.

Os sintomas incluem inchaço, gases e diarreia.

– Problemas cerebrais

Já está mais do que comprovado que o aspartame é o vilão dos adoçantes.

Entre outras coisas, pode provocar sérios danos ao cérebro!

– Câncer e outras doenças de longo prazo

É muito difícil associar conclusivamente o uso de edulcorantes artificiais às doenças de longo prazo, como o Mal de Parkinson, Alzheimer e certos tipos de câncer.

Muitos estudos já tentaram comprovar estes perigos dos edulcorantes artificiais, alguns com resultados positivos e outros negativos.

Por exemplo, os estudos realizados pelos fabricantes de aspartame negam todos os riscos relacionados ao seu produto.

Enquanto isso, estudos independentes geralmente têm indicado que os edulcorantes artificiais podem ser definitivamente associados a longo prazo com efeitos colaterais malignos.

O ciclamato, por exemplo, potencializa agentes cancerígenos e além demais contém sódio.

A sacarina pode aumentar o risco de câncer de bexiga e também contém sódio.

Os adoçantes artificiais ajudam a emagrecer?

Embora os adoçantes artificiais sejam usados em produtos “light”, “diet” ou “baixos em calorias”, o que fazem na realidade é enganar cérebro.

Tem pessoas que passam anos consumindo chicletes sem açúcar e refrigerantes light, sem que a balança registre qualquer esperança de emagrecimento.

Será que isso acontece porque os adoçantes artificiais, em vez de ajudar a emagrecer, poderiam fazer engordar…?

Pesquisadores americanos chegaram a uma excelente explicação para esse frustrante fenômeno, como mostramos a continuação.

– Por que os edulcorantes artificiais fazem engordar

O sabor doce de alguns adoçantes artificiais como a sacarina envia sinais ao cérebro, preparando o organismo para a ingestão de muitas calorias.

As calorias não chegam, o cérebro se desregula, entra em pânico e exige o que lhe foi prometido.

Como resultado, a pessoa ingere mais comida ou o seu organismo queima menos calorias.

Em outras palavras, estes produtos fazem com que a capacidade do corpo para gerenciar as calorias fique totalmente desequilibrada.

Mas não é só isso, também estimulam os desejos por certos alimentos desnecessários.

Finalmente, a pessoa que usa adoçantes artificiais com frequência termina tão ou mais gorda do que antes.

– O segredo está em controlar o desejo por comida

Menos do que regular nosso metabolismo, talvez a preocupação passe a ser, de agora em diante, controlar nosso desejo.

Todo individuo que luta contra a própria obesidade sempre soube disso: o problema está nele mesmo.

Nenhum adoçante artificial poderia ser a poção miraculosa capaz de transformar o seu corpo.

– Então não há nenhum adoçante bom?

Se você não abre mão de um adoçante, é melhor que escolha um à base de folhas de estévia (stévia).

Este produto natural não oferece nenhum tipo de riscos à saúde e adoça até 300 vezes mais do que o próprio açúcar.

Conclusão

Devemos levar em consideração que nem todos os indivíduos reagem da mesma maneira a um determinado adoçante.

Por tanto, tenha cuidado e preste atenção o tempo todo ao que você come e bebe. Ou seja, você pode comer doces, mas faça-o de maneira inteligente!

Esperamos que estas informações sobre os adoçantes artificiais lhe sejam de bastante utilidade.

Muito obrigado pela sua visita e, se desejar, deixe-nos seus comentários mais abaixo.

Outras pessoas estão vendo:

Gostou deste artigo? Ajude-nos a divulgá-lo:
Loading...

Deixe aqui a sua pergunta ou comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *